21 C
Distrito Federal
quarta-feira, 30 setembro, 2020 - 03:55 AM
No menu items!
- PUBLICIDADE -

Prefeitura de SP inicia despejo em plena pandemia,

Mais Lidas

Ouvidoria recebe, GDF Presente atende – Agência Brasília

No Riacho Fundo II, foram recolhidas 251 toneladas de entulho das ruas, estradas e áreas públicas| Foto: DivulgaçãoO...

09 SETEMBRO

09 SETEMBRO Fonte: Agência Brasília

11/09/2020

11/09/2020 Fonte: Agência Brasília

A Prefeitura de São Paulo iniciou na manhã desta quinta-feira (6) uma ação de despejo contra cerca de 50 famílias da comunidade Novo Chuvisco, antiga Favela da Rocinha, na zona Sul de São Paulo. Para retirar as famílias, que receberam o comunicado de que deveriam deixar o local na terça-feira (4) , a Polícia Militar do Estado de São Paulo utilizou bombas de gás e balas de borracha.

Ao todo 300 famílias moram na ocupação que existe há cerca de oito anos e está localizada ao lado da obra da prefeitura que iniciou a construção de um parque linear no local.

Em plena pandemia de covid-19, a ação comandada pela subprefeitura do Jabaquara não teve a  presença de assistentes sociais ou profissionais de saúde. 

Apesar da truculência os moradores resistiram à investida e conseguiram, por meio de um acordo, adiar em 30 dias a data para deixarem o local.

“To cansada, a luta foi complicada, mas com a resistência de todos nós da comunidade conseguimos 30 dias. 

Nesses 30 dias nós estaremos nos organizando, vendo pra onde podemos ir. Já estamos agradecidos porque foi uma forçada comunidade, foi uma luta no coletivo e a comunidade está de parabéns”, comemora a massoterapeuta Janaína Rosa de Paula, hoje desempregada.

Desempregado em meio à pandemia, Felipe Medeiros mora com a esposa e dois filhos na comunidade Novo Chuvisco e não tem condições de pagar aluguel. “To aqui só por causa do espaço, da moradia. Tão invadindo e não estão deixando a gente morar e ai ta nesse conflito, tacando bomba e nós, jogando gás, mas a gente vai resistir enquanto der, estamos resistindo”, afirma.

Por meio de um termo de responsabilidade assinado entre as partes que garante que não haverá ações dessa natureza contra nos moradores nos próximos 30 dias, o advogado Olécio Bueno deMoraes também pede assistência para as famílias que não têm para onde ir.

“Não é o ideal [os 30 dias], mas pelo menos tem um respiro né, um fôlego pra resolver a vida. É um paliativo.Tem que vir aqui a subprefeitura, pra ver a situação que é, como está e como vai ficar. Se comprometer a dar assistência a eles para o que for necessário, é de praxe. Cadastro, lá na frente abrigo se for necessário, porque 30 dias passa rápido”, aponta.

Edição: Leandro Melito

Fonte: Agência Brasil

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

Ao usar verba da educação, Renda Cidadã vai tirar de quem

Com a proposta da Renda Cidadã anunciada...

Resultados preliminares indicam resposta imune ao coronavírus da vacina da Johnson & Johnson

SÃO PAULO – Resultados preliminares das fases um e dois de testes...

Alterações na DF-463 para sua segurança – Agência Brasília

Trânsito mais seguro para os mais de 40 mil condutores que trafegam pela DF-463 todos os dias na descida de São Sebastião, após...
- PUBLICIDADE -

Continue Lendo

- PUBLICIDADE -