23 C
Distrito Federal
terça-feira, 29 setembro, 2020 - 05:24 AM
No menu items!
- PUBLICIDADE -

Após acordo da dívida, títulos da Argentina são negociados no mesmo nível pré-pandemia

Mais Lidas

Ouvidoria recebe, GDF Presente atende – Agência Brasília

No Riacho Fundo II, foram recolhidas 251 toneladas de entulho das ruas, estradas e áreas públicas| Foto: DivulgaçãoO...

09 SETEMBRO

09 SETEMBRO Fonte: Agência Brasília

11/09/2020

11/09/2020 Fonte: Agência Brasília

(Bloomberg) — O acordo da dívida da Argentina deixou os títulos do país negociados em níveis pré-pandemia, embora o governo não tenha o esboço de um plano econômico confiável para sair da grave crise atual.

O famoso título de 100 anos, emitido em 2017, alcançou 46,93 centavos de dólar nesta semana, o maior preço desde o início de fevereiro. O ganho é de 2,4 centavos de dólar desde que o acordo da dívida foi fechado na terça-feira.

Para alguns, isso faz pouco sentido. A Argentina deve registrar queda do PIB de cerca de 12% neste ano, e o déficit disparou devido aos gastos fiscais extras para combater a pandemia. Ao contrário de outros países latino-americanos, cujas dívidas também se recuperaram, a Argentina tem uma inflação galopante, o que limita a margem da política monetária para tirar a economia da recessão.

“Isso não é hiperbólico. Esta é a pior reestruturação soberana negociada que já vi”, disse Diego ferro, que trabalhou na Greylock Capital Management e fundou a M2M Capital, em Nova York. “Os investidores ganharam um enorme brinde” com este acordo.

Parte do problema é que o acordo de reestruturação foi baseado em uma avaliação econômica conduzida com o Fundo Monetário Internacional antes da pandemia. Esses parâmetros para a economia não se aplicam mais.

O déficit fiscal ficou acima de US$ 3,4 bilhões em todos os meses no segundo trimestre em relação a apenas US$ 62 milhões em janeiro. Além disso, novos casos de coronavírus e mortes atingem níveis recordes, mesmo com grande parte do país em confinamento.

Impressão de dinheiro

A resposta do governo à pandemia conseguiu amplo apoio da população, mas preocupou muitos economistas.

“O presidente Alberto Fernández apresentou receitas antigas para resolver problemas antigos, e todos sabemos como isso acaba”, disse Patrick Esteruelas, chefe de pesquisa da Emso Asset Management. “Eles estão contando com a máquina de impressão, aumentando a oferta de dinheiro e criando pressões inflacionárias significativas.”

A desvalorização da moeda foi segurada por rígidos controles de capital, que por sua vez afetaram as importações e a economia.

Como Fernández planeja sair do atoleiro não está claro. O país precisa desesperadamente aumentar as reservas internacionais, combater a inflação que deve ultrapassar 40% em 2020 e reativar a economia.

Aprenda a fazer trades com potencial de ganho de R$ 50 a R$ 500 operando apenas 10 minutos por dia: inscreva-se gratuitamente na Semana dos Vencedores

Fonte: Agência Brasil

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

Paciente vence a Covid-19 e comemora nascimento da filha no Hran

Daniela está internada há quase dois meses e aguarda ansiosamente o retorno para casa   JOSIANE CANTERLE   Vitória é o segundo nome...

Cirurgias eletivas seguem suspensas – Agência Brasília

A Secretaria de Saúde prorrogou a suspensão das cirurgias eletivas por mais uma semana, desta vez até o dia 5 de outubro. O...

Chapa apoiada por Correa pode ser impugnada no

Diversos setores sociais no Equador pediram à comunidade internacional que monitore o...

OMS vai disponibilizar testes de covid para países pobres

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pretende enviar 120 milhões de testes rápidos da...
- PUBLICIDADE -

Continue Lendo

- PUBLICIDADE -