29 C
Distrito Federal
segunda-feira, 28 setembro, 2020 - 01:59 AM
No menu items!
- PUBLICIDADE -

Ratos que brilham no escuro podem ajudar na criação de medicamentos

Mais Lidas

Ouvidoria recebe, GDF Presente atende – Agência Brasília

No Riacho Fundo II, foram recolhidas 251 toneladas de entulho das ruas, estradas e áreas públicas| Foto: DivulgaçãoO...

09 SETEMBRO

09 SETEMBRO Fonte: Agência Brasília

11/09/2020

11/09/2020 Fonte: Agência Brasília

Pesquisadores usaram as enzimas que fazem os vaga-lumes brilhares para criar ratos bioluminescentes, com o objetivo de entender melhor a funo mitocondrial nas clulas. As molculas de luciferase injetadas nas cobaias permitiram que os cientistas pudessem observar melhor a atividade da mitocndria em mamferos, como relata o estudo publicado na revista Nature Chemical Biology.

As mitocndrias so as fbricas de energia das clulas. Como as prprias clulas, as mitocndrias tm uma membrana que filtra os materiais que entram e saem de sua estrutura. Essa estrutura depende de uma diferena de polaridade – conhecida como “potencial de membrana” – que quando cai, pode ser um indicativo de patologias humanas, como diabetes, cncer e doenas de Alzheimer e Parkinson.

Cientistas da Ecole Polytechnique Fdrale de Lausanne (EPFL), da Sua, usaram os ratos geneticamente modificados para testar essa membrana. A equipe fez uma mudana gentica nas cobaias para que elas pudessem expressar a luciferase, a enzima que produz luz quando combinada com outro composto, a luciferina – que como os vaga-lumes brilham.

As duas molculas, ao serem injetadas nos roedores, passam pela mitocndria e ativam uma reao qumica. As mitocndrias ento produzem luciferina e a ejetam para fora. A luciferina se combina com a luciferase nas clulas dos camundongos e produzem luz.

“Em uma sala completamente escura, voc pode ver os ratos brilhando”, conta a professora da EPFL e principal autora do artigo, Elena Goun. A equipe ento desenvolveu um protocolo para medir a atividade mitocondrial em tempo real em animais vivos. Quanto mais brilhante a cobaia, mais luciferina nas mitocndrias ela possui – e consequentemente melhor as mitocndrias funcionam.

O mtodo desenvolvido pelos cientistas pode ser usado em pesquisas de tratamentos contra o cncer, bem como coisas como diabetes, envelhecimento, nutrio e doenas neurodegenerativas. “As culturas de clulas no so muito eficazes no estudo de doenas ligadas s mitocndrias”, explica Elena. “O cncer ou a diabetes envolvem trocas complexas entre vrios tipos de clulas, por isso precisamos de modelos animais”, completa.

Entre as anlises feitas pelo grupo da EPFL, foi observado que ratos mais velhos produzem significativamente menos luz. Essa queda na luz reflete uma queda na atividade das mitocndrias – seu potencial de membrana muito menor do que em roedores mais jovens.

A equipe tambm testou um produto qumico conhecido por rejuvenescer as mitocndrias: o ribosdeo de nicotinamida. Disponvel comercialmente, esse composto encontrado em suplementos diettico. Os ratos que receberam o produto produziram mais luz, um sinal de aumento da atividade mitocondrial.

Via: Futurism/EPFL

Fonte: PMDF

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

Homem é preso por violência doméstica e tráfico de drogas na Estrutural

Um homem de 28 anos foi preso por tráfico de substância entorpecente e violência doméstica, por volta das 18h deste domingo (27), no Setor...

Atlético-GO e Botafogo empatam em 1 a 1 no estádio Olímpico

Empate que não foi bom para ninguém. Atlético-GO e Botafogo ficaram no 1 a 1, no Estádio Olímpico, em Goiânia (G), em um jogo...

Turismo no DF é destaque na Abav Collab – Agência Brasília

As opções turísticas oferecidas por Brasília estão expostas no stand virtual organizado pela Secretaria de Turismo do Distrito Federal (Setur-DF)  dentro do Abav...
- PUBLICIDADE -

Continue Lendo

- PUBLICIDADE -