25.4 C
Distrito Federal
quinta-feira, 22 outubro, 2020 - 17:56 PM
No menu items!
- PUBLICIDADE -

Os sinais da vitória da Petrobras no STF para a política de privatizações do governo

Mais Lidas

SÃO PAULO – A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de negar um pedido feito pelo Congresso Nacional para suspender a venda de oito refinarias e ativos da Petrobras a partir da criação de empresas subsidiárias traz sinalizações relevantes sobre o ambiente político para uma agenda de privatizações desejada por membros do atual governo.

Este foi um dos assuntos do podcast Frequência Política. programa é uma parceria entre o InfoMoney e a XP Investimentos. Ouça a íntegra pelo player acima.

A analista política Debora Santos, especialista em assuntos jurídicos na XP Investimentos, chama atenção para dois aspectos principais observados ao longo das idas e vindas do julgamento, que começou no plenário virtual com um placar de 3 a 0 aberto contra os interesses do governo e terminou em sessão remota do plenário com uma virada de 6 votos a 4.

O primeiro deles seria a organização do governo federal no debate jurídico sobre o assunto, com a Advocacia-Geral da União e o Ministério da Economia demonstrando empenho em conversar com os ministros e fazer chegar a eles argumentos sólidos para sustentar a posição que conferiria maior liberdade à Petrobras na condução de sua política de desinvestimentos.

“A equipe econômica se mexeu, sentiu um cheirinho de queimado e fez o dever de casa”, pontua a analista. “Os argumentos da AGU e os próprios argumentos técnicos da Petrobras apareceram em muitos dos seis votos que sacramentaram essa decisão tão importante”.

O segundo envolve a própria postura do novo presidente do colegiado, o ministro Luiz Fux. Em momento considerado decisivo para o julgamento, que se desenhava desfavorável aos interesses da companhia, o magistrado suspendeu a deliberação virtual para levar a questão ao plenário convencional, sinalizando para um debate mais aprofundado e dinâmico.

Para Debora, a postura adotada na condução dos trabalhos neste caso reforçou a preocupação do ministro com o que ele costuma chamar de interpretação econômica do Direito e em dar segurança jurídica aos negócios.

“Foi o primeiro teste e ele passou com bastante mérito”, diz. “A atuação de Fux deu à Economia e à Petrobras o tempo para fazer o trabalho de informar e levar argumentos [aos gabinetes dos ministros] e também levou a público essa discussão – o que é fundamental”.

Embora os ministros formalmente não tenham analisado o mérito que envolve a questão, a especialista acredita que a decisão reforça a tese de que subsidiárias de empresas estatais podem ser vendidas sem a necessidade de aval do parlamento e dá uma espécie de “autorização informal” à política de desestatizações planejada pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

O assunto foi abordado na edição desta semana do podcast Frequência Política. Você pode ouvir a íntegra pelo SpotifySpreakeriTunesGoogle Podcasts e Castbox ou baixar o episódio clicando aqui.

Fonte: Agência Brasil

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

Twitter de Donald Trump foi hackeado de novo com senha muito fácil

Na ltima semana, o pesquisador de segurana holands Victor Gevers conseguiu acessar a conta do Twitter do presidente dos...

Como gravar chamadas de forma nativa no Android

O recurso degravar chamadas no Android no algo novo. At ento, grande parte dos usurios tinha que optar por baixar algum app de...

Excluídos da audiência de conciliação, atingidos ocupam sede

Na tarde desta quinta-feira (22), acontece uma audiência sobre os danos causados...

PMDF prende homem tentando furtar equipamento avaliado em 100 mil de fazenda em Planaltina

Um homem foi preso suspeito de integrar uma quadrilha especializada em furto de pivô de irrigação em uma fazenda na BR 020, próximo à...
- PUBLICIDADE -

Continue Lendo

- PUBLICIDADE -