19.1 C
Distrito Federal
quinta-feira, 22 outubro, 2020 - 09:36 AM
No menu items!
- PUBLICIDADE -

Disney se reestrutura para focar em operações de streaming

Mais Lidas

Celular com o aplicativo do Disney+ envolto de pipocas
(Shutterstock)

(Bloomberg) — A Walt Disney está se reformulando para voltar a focar na próspera operação Disney+, redobrando esforços para se tornar uma gigante global de streaming como a Netflix.

A empresa anunciou na segunda-feira que está colocando redes de TV, estúdio de cinema e divisões que lidam diretamente com o consumidor dentro de um grande grupo chamado Mídia e Entretenimento.

Os atuais responsáveis por conteúdo continuarão a supervisionar seus negócios, mas agora poderão escolher diretamente quais filmes e programas de TV serão disponibilizados na crescente linha de serviços de streaming da Disney.

“Trata-se de agilizar decisões, olhando do alto”, afirmou o CEO Bob Chapek em entrevista, “ao contrário de um filme feito no estúdio, que portanto vai para o estúdio, ou um programa de televisão feito nos estúdios da ABC, que portanto vai para a rede ABC”.

O badalado Kareem Daniel, que anteriormente chefiava a área de produtos de consumo dentro da divisão de parques temáticos, vai comandar a distribuição nos serviços de streaming Disney+, ESPN+ e Hulu.

A mudança também aumenta a diversidade na Disney, que concentra pessoas brancas em cargos de gestão. Daniel é um dos executivos negros de maior destaque na empresa com sede em Burbank, na Califórnia.

Acionistas como Dan Loeb, da Third Point, pressionaram a empresa a colocar mais recursos em streaming. Ele enviou uma carta a Chapek na semana passada afirmando que era hora de sair das salas de cinema, que ele comparou a carruagens puxadas por cavalos.

A campanha de Loeb não motivou as mudanças anunciadas na segunda-feira, que, de acordo com Chapek, vinham sendo elaboradas há meses. O investidor também pediu que a Disney redirecionasse o dinheiro destinado a dividendos para streaming, mas a empresa já suspendeu esse pagamento em julho e não se comprometeu com distribuições futuras.

Loeb disse na segunda-feira que estava feliz com o fato de a Disney estar se concentrando no negócio voltado diretamente ao consumidor.

Esta não é a única grande mudança na Disney nas últimas semanas. Abalada pela freada nas operações com parques temáticos e cruzeiros marítimos, a companhia anunciou a demissão de 28.000 trabalhadores no final do mês passado.

A empresa ainda não conseguiu reabrir os parques na Califórnia, diante de restrições estaduais. Segundo Chapek, a reorganização pode resultar na eliminação de mais empregos.

Outras gigantes da mídia, incluindo WarnerMedia, da AT&T, e NBCUniversal, da Comcast, também estão demitindo pessoal, tentando resistir à crise que prejudicou gastos com publicidade, filmes e atrações presenciais.

Newsletter InfoMoney
Informações, análises e recomendações que valem dinheiro, todos os dias no seu email:

Fonte: Agência Brasil

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

Militia overtakes drug traffickers and controls more than half

The amount of territory controlled by the...

No Ceará, campanha luta pelo fim dos despejos

De acordo com dados do monitoramento feito pela Campanha Despejo Zero, entre março...

596 vagas nesta quinta (22) – Agência Brasília

São mais 31 vagas para técnicos e outras três para enfermeiros anunciadas para esta quinta | Foto: Breno Esaki / SESA área da...

Bolsonaro polemiza e atrasa debate sobre a imunização contra o

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), tirou a quarta-feira (21) para...
- PUBLICIDADE -

Continue Lendo

- PUBLICIDADE -