24.4 C
Distrito Federal
terça-feira, 20 outubro, 2020 - 22:41 PM
No menu items!
- PUBLICIDADE -

EUA aprovam tratamento com anticorpos contra o vírus do Ebola

Mais Lidas

Após um grande ensaio clínico, a Food and Drug Administration (FDA), órgão regulador do governo dos Estados Unidos, aprovou o uso do Inmazeb – uma mistura de três anticorpos monoclonais – para o tratamento de infecção pelo ebolavírus do Zaire (vírus Ebola). A farmacêutica Regeneron vem desenvolvendo um medicamento semelhante para a Covid-19.

O ebolavírus do Zaire, comumente conhecido como vírus Ebola, é uma das quatro espécies de ebolavírus que podem causar uma doença humana potencialmente fatal. O vírus Ebola é transmitido pelo contato direto com sangue, fluidos corporais e tecidos de pessoas infectadas ou animais selvagens, bem como com superfícies e materiais, como roupas de cama e roupas, contaminados com esses fluidos.

O medicamento, também conhecido como REGN-EB3, é o primeiro a ser aprovado como um tratamento específico para o Ebola. O Inmazeb tem como alvo a glicoproteína que está na superfície do vírus, que se liga ao receptor da célula e funde as membranas da célula viral e do hospedeiro, permitindo que ele entre na célula. Os três anticorpos que compõem o Inmazeb podem se ligar a essa glicoproteína simultaneamente e bloquear a adesão e a entrada do vírus. 

Micrografia eletrônica de transmissão colorida do vírus Ebola. Imagem: CDC/Cynthia Goldsmith

“Aplicamos as mesmas tecnologias e recursos de fabricação de medicamentos contra a Covid-19, e esperamos que esta seja uma das muitas demonstrações de como o poder da ciência pode ser implantado com sucesso contra doenças infecciosas perigosas”, afirmou o presidente e diretor científico da Regeneron, George D. Yancopoulos.

Como parte de um acordo anunciado em julho de 2020, a farmacêutica fornecerá doses de tratamento com Inmazeb ao longo de seis anos para o Departamento de Saúde dos EUA. Em resposta ao surto de Ebola de 2018 na República Democrática do Congo (RDC), a Regeneron trabalhou com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e outras organizações globais para oferecer o tratamento no país africano gratuitamente.

Nesta ação, o Inmazeb foi avaliado em 382 pacientes adultos e pediátricos com infecção confirmada de ebolavírus do Zaire. O estudo clínico foi liderado pelo Instituto Nacional de Saúde dos EUA e pelo Institut National de Recherche Biomédicale da RDC, com contribuições de várias outras organizações e agências internacionais.

Dos 154 pacientes que receberam Inmazeb, 33,8% morreram após 28 dias, em comparação com 51% dos 153 pacientes que receberam uma substância controle. Os sintomas mais comuns experimentados durante o tratamento incluíram: febre, calafrios, taquicardia (ritmo cardíaco acelerado), taquipnéia (respiração acelerada) e vômitos; no entanto, esses também são sintomas comuns da infecção pelo vírus Ebola.

Os pacientes que recebem Inmazeb devem evitar a administração simultânea de uma vacina viva devido ao potencial do tratamento para inibir a replicação de um vírus vacinal vivo indicado para a prevenção da infecção pelo vírus Ebola e, possivelmente, reduzir a eficácia da vacina.

Via: FDA

Fonte: PMDF

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

Estudo revela a quantidade de matéria escura na galáxia Dragonfly

Pesquisa divulgada na edio mais recente da Monthly Notices of the Royal Astronomical Society revela que a galxia...

Amazon testa serviço de jogos na nuvem com grupo seleto de clientes

A Amazon anunciou nesta tera-feira (20) que o Luna, seu servio de jogos na nuvem, est concedendo acesso antecipado a um pequeno e seleto...

Portal Goiás – Governador apresenta a vacina Butantan-Sinovac contra a Covid-19

Em postagem no Instagram no feita no final da tarde desta terça-feira, dia 20, o governador Ronaldo Caiado fez a apresentação da Vacina...

Artigo | Sou Samuel: assassinato de professor promove debate

Ser professor é lutar contra o sistema imposto. Ser professor é libertar...
- PUBLICIDADE -

Continue Lendo

- PUBLICIDADE -