trade que opera na bolsa opções binárias ficou rico curso opções binárias weldes campos 2019 posso abater prejuízo de day trade em operação comum opçoes binarias e uma aposta curso opções binárias com estratégia opções binárias sar suing trade como começar a operar trading forex wallpaper corretoras de opçoes binais tutorial opções binárias iq option os melhores sinais para opçoes binarias sinal indicador free opçoes binarias super quendon opçoes binaria opçao binaria investimento opcoes binarias como investir leitura de graficos opções binarias investir 100 reais em day trader
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Cultura homenageia Aruc com entrega de ‘totem-monumento’

Mais Lidas

Governo unifica atendimento de saúde a vítimas de violência

Unificar as ações de prevenção e o atendimento às pessoas que sofrem qualquer tipo de violência no DF....

Oficina de primeiros socorros e workshop de bolos caseiros

Ministradas por Fernanda Pereira, formada em enfermagem e que atua há mais de 11 anos na área de...

Fincado no alto do muro branco e azul da Associação Recreativa Cultural Unidos do Cruzeiro (Aruc), o gavião, símbolo da entidade, segue em eterna prontidão. A mais tradicional agremiação do samba do Distrito Federal é signo de lutas.

Desde que foi criada em 21 de outubro de 1961, cumpre a jornada de resistência que pode ser traduzida pelas gerações de percussionistas que batem as mãos firmes sobre os seus tambores. O som anuncia que o coletivo nascido e criado no Cruzeiro Velho é um dos representantes mais altivos e aguerridos da diversidade cultural de Brasília.

Nesta terça-feira (25), esse batuque ecoou com orgulho. Os passistas, porta-bandeira, mestre-sala e rainhas vestiram-se com as melhores roupas (algumas feitas com a premiação da Lei Aldir Blanc no DF) como se fossem desfilar alinhados na avenida.

A homenagem foi recebida como uma rede de proteção em um momento de insegurança jurídica da posse do terreno da entidade | Foto: Divulgação / Secec

“Representa o esforço de todos, neste momento triste da pandemia, em resgatar o samba no DF, que chegou aqui junto com os construtores de Brasília” Bartolomeu Rodrigues, secretário de Cultura e Economia Criativa

Em torno da entrada da sede, festejavam a inauguração do “totem-monumento”, que anuncia à comunidade e aos visitantes que a Aruc é Patrimônio Cultural Imaterial do Distrito Federal.

“O significado desse totem vai além de monumento que reconhece a Aruc como Patrimônio Imaterial do Distrito Federal. Representa o esforço de todos, neste momento triste da pandemia, em resgatar o samba no DF, que chegou aqui junto com os construtores de Brasília. O poeta avisa “não deixe o samba morrer/não deixe o samba acabar” e, ouvindo a força dessa bateria, ficamos emocionados porque, neste momento delicado de 450 mil mortes no Brasil, a vida parece ser maior que toda a tristeza”, contou o secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues.

Rede de proteção

A chegada da homenagem ao Cruzeiro coincide com um momento de insegurança jurídica da Aruc com a posse do terreno. Emocionado, o presidente da entidade, Rafael Fernandes, acolheu o totem-monumento como se fosse uma rede de proteção. “Sei que temos a Secretaria de Cultura e Economia Criativa do DF como uma aliada nessa luta. Isso reconforta nossa comunidade”, destacou.

Representando o Conselho Regional de Cultura, a atriz, influencer, locutora e atual presidenta do CRC, Sheila Campos, ressaltou o reconhecimento físico do totem-monumento como o reforço ao pertencimento e à valorização da cultura como identidade, territorialidade, formação e alma da comunidade.

“A Aruc desempenha esse papel há décadas nesse território. Do Cruzeiro, jamais poderá sair. São gerações de moradores e de moradoras que usufruem e se fortalecem juntos com a Aruc”.

“Aqui, os candangos matavam a saudade do Rio de Janeiro por meio do samba ao mesmo tempo que criavam os primeiros traços culturais desse caldeirão de sons chamado Brasília” Sol Montes, subsecretária de Difusão e Diversidade Cultural

Legado

O secretário-executivo da Secec, Carlos Alberto Jr., e a subsecretária de Difusão e Diversidade Cultural (SDDC), Sol Montes, também participaram da cerimônia e, junto ao secretário, Bartolomeu Rodrigues, foram convidados a conhecer o museu da Aruc, que reúne dezenas de troféus, fotografias, miniaturas de fantasias e outros documentos.

“A Aruc é uma comunidade valorosa que move sonhos e vidas durante todo o ano. Esse legado se junta ao samba bom que nos orgulha e a faz ser esse incontestável patrimônio imaterial”, ressaltou Carlos.

“Esse espaço é um símbolo de resistência no meio da cidade. Aqui, os candangos matavam a saudade do Rio de Janeiro por meio do samba ao mesmo tempo que criavam os primeiros traços culturais desse caldeirão de sons chamado Brasília”, completou Sol Montes.

A Associação Recreativa Cultural Unidos do Cruzeiro (Aruc) foi reconhecida como Patrimônio Imaterial do DF pelo Decreto nº 30.132/2009.

*Com informações da Secretaria de Cultura e Economia Criativa

Fonte: Agência Brasília

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Últimas Notícias

Governo unifica atendimento de saúde a vítimas de violência

Unificar as ações de prevenção e o atendimento às pessoas que sofrem qualquer tipo de violência no DF....
PUBLICIDADE

Continue Lendo

PUBLICIDADE