PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Caminhos mostra histórias de mulheres que viajam sozinhas

Mais Lidas

Portal Goiás – FCO aprova 90 cartas-consultas e assegura investimento de R$ 119,2 mi em Goiás

Durante a reunião de número 360, realizada nesta quinta-feira (15/04) por videoconferência, a Câmara Deliberativa do Conselho...

UPA 24h Mansões Odisséia garante atendimento de urgência e emergência

A Prefeitura de Águas Lindas de Goiás através da Diretoria Técnica da UPA24h, comunica a toda população, que...

“Eu estava mais preocupada em ler livros e viajava através da literatura. Em algum momento eu percebi que conheceria melhor os livros que eu lia se eu fosse conhecer os lugares onde eles tinham sido escritos, onde as histórias se passavam. Foi mais ou menos o que eu fui fazer a Transiberiana com a Olívia com dois anos de idade.” Cada uma tem a sua motivação, mas assim como a professora Gabriela Antunes, que fez um percurso de 41 dias sozinha com sua filha, atravessando a Rússia, o que muitas mulheres querem é ultrapassar as barreiras do lar e expandir seus horizontes viajando. E o Caminhos da Reportagem desta semana vai contar a história de algumas dessas mulheres.

A assistente social aposentada Jô Feitosa, 62 anos, é uma delas. Depois de três décadas dedicadas ao trabalho no sistema penal do Ceará e cuidando sozinha dos filhos, decidiu ganhar mundo. Já visitou 47 países e fez amigos por onde passou “É maravilhoso você ter essa idade. Eu ganho muito respeito. Eu acho que tem muita gente que olha pra mim e talvez goste da minha estampa. Talvez o meu índice de simpatia seja alto.”. Ela conta que tinha medo de sofrer preconceito pela idade e por ser uma mulher negra, mas que até agora isso não aconteceu.

Caminhos da Reportagem

Gabriela Antunes fez a Transsiberiana junto com a filha – Divulgação TV Brasil

Beatriz Caixeta também é uma mulher negra e gorda e que decidiu viajar após a morte do pai. Para ela, uma das fórmulas da viagem solo ser um sucesso é focar no planejamento e na segurança. “Mesmo saindo à noite, indo para a balada eu sempre me preocupo muito com a segurança. Então, se eu vou pegar um Uber para um lugar mais longe eu tenho um contato de segurança, que no caso é minha sobrinha. Aí nas viagens ela fica recebendo mensagem a torto e a direito”.

Além delas ouvimos as histórias de Fernanda e Noelma, um casal que está construindo seu próprio motorhome para ir do Ushuaia ao Alasca. Conhecemos Ana Flávia que já percorreu 86 países e atravessou o Saara em cima de um trem de carga. Batemos um papo com Mellina que viaja acompanhada de Hilary, sua cão-guia. E descobrimos o que levou Nathaly a abrir uma agência de viagens focada em atender mulheres.

Participam também deste episódio a historiadora Thaís Carneiro, que nos lembra que hoje comprar uma passagem e sair por aí é algo normal, mas que nem sempre foi assim. “A gente não para pra pensar que isso não é natural, que isso é uma conquista, que foi uma conquista de movimento popular, que foi o movimento feminista. No Brasil a gente só teve acesso à viagem sem autorização do marido, do pai, na década de 60, em 1963”. E conversamos também com a psicóloga e pesquisadora da USP, Mariana Afonso, que fala como esse movimento das mulheres buscarem mais espaço também viajando é reforçado pela conexão que acabam fazendo com elas mesmas, num espaço com menos julgamentos e menos tarefas designadas a elas.

O Caminhos da Reportagem Vai Sozinha? vai ao ar neste domingo (21), às 20 h, na TV Brasil.

Fonte: Agência Brasil

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Últimas Notícias

PUBLICIDADE

Continue Lendo

PUBLICIDADE