como fazer investimento na clear no swing trade novo sistema como obter restituição do ir em operações de day trade opçoes binárias operar swing trade nos mini contratos software de sinais para opções binarias simple forex trading system trading time zones forex smart tv para operar day trade como ganhar dinheiro com opçoes binarias naolimptrader baixar forex trading crash course pdf sell e buy no meta trader quando operear investimento gelios trader 10btc como operar trade na foxbit estratégia einsten opçoes binarias calendario economico opções binarias como começar a trabalhar com opções binárias operando em trader trading em forex ao vivo
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Debate para renovar concessão da Ecosul é prematuro, diz ministro

Mais Lidas

Desenvolvimento social quer ouvir a população e os servidores

A população do Distrito Federal vai contribuir para a elaboração do Planejamento Estratégico 2021-2023 da Secretaria de Desenvolvimento...

Procura por vacinação de 50 a 59 anos é a maior até agora

O Governo do Distrito Federal (GDF), por meio da Secretaria de Saúde, registrou esta semana a maior procura...

Conplan aprova criação de lotes no Eixo Monumental

O Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do Distrito Federal (Conplan) aprovou, nesta quinta-feira (17), o Projeto de...

O ministro da Infraestrutura Tarcísio Gomes de Freitas disse hoje (17) que considera prematuro o debate sobre a prorrogação do contrato de concessão das rodovias BR-116 e BR-392, no trecho entre Camaquã e Jaguarão no Rio Grande do Sul. A concessão da rodovia, operada pela Ecosul e que é responsável pelo escoamento da produção gaúcha, vence em 2026 e a concessionária quer a renovação do contrato.

Para ter o contrato renovado, a empresa propõe a redução de 40% no valor da tarifa das cinco praças de pedágio, que passaria dos atuais R$ 12,30 para R$ 7,38, e a criação de mais duas praças de pedágio entre Pelotas e Porto Alegre.

A Ecosul também disse que ficaria responsável pela duplicação de 90 quilômetros da BR 116, entre Pelotas e Guaíba; duplicação do lote quatro da BR-392, de 8,9 quilômetros no Porto do Rio Grande; recuperação da ponte do canal São Gonçalo, entre Pelotas e Rio Grande e duplicação de 116 quilômetros da BR-290, no trecho entre a BR-116 e Pântano Grande, esse último trecho não faria parte da concessão.

Em troca a empresa teria incorporada à concessão um trecho de 125 quilômetros da BR-116, entre Porto Alegre e Camaquã.

“É muito prematuro discutir isso agora, em termos de probabilidade ainda é muito baixo”, disse o ministro durante audiência pública na Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados para debater a proposta.

De acordo com Tarcísio de Freitas, a possibilidade de renovação do contrato tem que se mostrar vantajosa para o governo. Ele disse ainda que a proposta da empresa é “interessante”, mas que prefere que o debate ocorra após a conclusão dos estudos de concessão da BR-116, entre Porto Alegre e Camaquã; e a BR-290, entre Eldorado do Sul e Pântano Grande, que deve ocorrer em junho.

“Eu diria que a proposta virou uma proposta interessante. Mas só vai caminhar se tiver de fato a viabilidade jurídica, se conseguir demonstrar e defender a vantajosidade [sic] e se, de fato, a sociedade tiver confortável. Se não tiver nenhum desses três elementos, não haverá extensão. Não há motivo também para ansiedade desmedida,” disse.

Segundo o ministro, após a conclusão dos estudos vai ser possível saber se a proposta da empresa terá um custo menor para o usuário: “essa comparação tem que ser feita. Mais na frente vou ter os números e aí a gente consegue ter uma comparação das duas propostas com mais clareza”.

Viabilidade jurídica

Tarcísio disse que ainda não se sabe se há viabilidade jurídica para a renovação do contrato. Aos deputados, o ministro disse que se a proposta for aceita, ela terá que percorrer algumas etapas até a renovação do contrato.

“A gente tem que ver o que o contato estabeleceu, do ponto de vista da possibilidade de extensão e de quantas vezes essa extensão pode se feita”, disse o ministro.

Entre as etapas, o ministro disse que a rodovia precisa ser incluída no PDN (Programa Nacional de Desestatização) do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos) e que a proposta também teria que passar por audiências públicas, entre outros passos.

“A proposta que está sendo posta na mesa tem a vantagem de trazer muitos investimentos em curto prazo, tem a vantagem de reduzir a tarifa que existe hoje e de resolver alguns problemas que algum tempo estão lá na prateleira”, disse. “Se for viável juridicamente, se for demonstrada a vantajosidade [sic] e se a sociedade topar pode ser que a gente faça uma extensão [do contrato]”, acrescentou.

Fonte: Agência Brasil

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Últimas Notícias

Desenvolvimento social quer ouvir a população e os servidores

A população do Distrito Federal vai contribuir para a elaboração do Planejamento Estratégico 2021-2023 da Secretaria de Desenvolvimento...
PUBLICIDADE

Continue Lendo

PUBLICIDADE