Soltura de Lula: Leia resumo da opinião de alguns colunistas – Agenda Capital

Mais Lidas

“O cuidado, este ano, será redobrado com a dengue”, diz Ibaneis no lançamento do Dengue Zero 2020 – Agenda Capital

GDF lançou neste sábado (09/11), em Planaltina, o programa Dengue Zero 2020, com a presença do governador Ibaneis Rocha...

Nordeste manchado com o óleo do ditador Maduro! Quem vai pagar por isso? (veja o vídeo)

A equipe da TV Jornal da Cidade Online esteve no litoral da Bahia, registrando imagens exclusivas do estrago que...

Foto: Reprodução

Por Estadão

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi libertado na sexta-feira, 8, da prisão em Curitiba, onde estava desde 7 de abril do ano passado, um dia após o Supremo Tribunal Federal (STF) derrubar a possibilidade de execução da pena após condenação em segunda instância.

Logo após sua saída da carceragem da Polícia Federal em Curitiba, o ex-presidente mirou no que chamou de “lado podre do Estado brasileiro”, citando a Justiça, o Ministério Público Federal, a Polícia Federal e a Receita Federal – setores que, segundo o petista, agiram para criminalizar a esquerda, o PT e a ele próprio.

Condenado em três instâncias da Justiça por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá (SP), Lula permanece com os direitos políticos cassados – o que o impede de se candidatar –, mas a análise mais recorrente é que sua liberdade reacende a polarização do petismo com o presidente  Jair Bolsonaro (PSL).

Durante uma fala de 17 minutos, o ex-presidente disse que “o Brasil piorou” e acusou o atual governo e Bolsonaro de mentirem. Um ato está previsto para hoje no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP). O mercado financeiro também interpretou a soltura de Lula como um sinal de acirramento da polarização política, com possível impacto no andamento da pauta econômica do governo. O dólar registrou o terceiro dia consecutivo de alta (fechou em R$ 4,16) e a Bolsa fechou com queda de 1,78%.

Veja opinião de alguns jornalistas:

Eliane Cantanhêde: Bolsonaro passa a ter algo novo, a oposição

O ex-presidente Lula já saiu da prisão chamando o presidente Jair Bolsonaro para briga. Depois de correr solto neste seu primeiro ano de governo, digladiando contra a mídia e inimigos imaginários, Bolsonaro passa, portanto, a ter finalmente oposição. E não uma oposição qualquer. O que ainda não está claro é em que arena esse embate vai ocorrer. 

Vera Magalhães: Soltura de petista vai exacerbar extremos estridentes

Lula solto – e não livre, como se tenta falsamente vender na narrativa triunfalista montada pelo PT – vai exacerbar a polarização entre os extremos estridentes da sociedade: de um lado, bolsonaristas revoltados clamando pelo fechamento do STF e, de outro, viúvas do lulopetismo ignorando que Lula foi condenado em duas instâncias e teve a condenação confirmada pelo STJ por crime comum. Graças à revisão do Supremo Tribunal Federal a respeito do momento do cumprimento da pena no Brasil, o País volta imediatamente ao momento maior de conflagração entre antípodas políticos, que levou à eleição de Jair Bolsonaro no ano passado. 

Coluna do Estadão: Narrativa do ‘Lula-Mandela’ só cola nos convertidos

Apesar de a nova narrativa disponível na praça tentar transformar Lula no “Mandela brasileiro”, capaz de unir o País, os petistas mais lúcidos sabem que ela não irá prosperar: a polarização que Lula ajudou a fomentar não cedeu um milímetro após ele ter sido preso, pelo contrário, o ex-presidente não passa no “teste das ruas” ou “dos aeroportos” sem ser hostilizado. Por isso, a retórica do “homem cordial” e do “Lulinha paz e amor” só vai colar mesmo na bolha dos convertidos, avaliam. Fora dela, a estratégia será de enfrentamento e radicalização. 

William Waack: Futuro de Lula como fator político depende pouco dele mesmo

Perdida atrás da discussão sobre 2.ª instância está a verdadeira questão: a morosidade do Judiciário. Fosse ele mais célere, mais moderno, mais dedicado a servir à sociedade e suas normas – e fosse outro o regime de recursos – e a 2.ª instância desapareceria como problema. 

João Domingos: O STF e o pacto de 2022

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de proibir a prisão após condenação em segunda instância tem tudo para se tornar um marco na História do País. Por alguns motivos em especial. Um, porque foi – e continuará sendo – um teste para se medir a força das instituições pilares da sustentação do Estado Democrático de Direito. Mesmo sob forte pressão para que mantivesse a jurisprudência de 2016, a favor da prisão, a Corte não se intimidou. A sessão foi transmitida ao vivo pela TV e quem quis pôde ver em detalhes como se comportou cada ministro. Goste-se ou não do resultado, ele está aí. 

Marcelo de Moraes: Lula reocupa seu palanque e tenta polarizar com Bolsonaro

Depois de 580 dias preso, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva mostrou neste noite de sexta, 8, que está disposto a recuperar o tempo perdido e já ocupou seu primeiro palanque. Logo depois de ser libertado, o petista fez um forte discurso atacando duramente o presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, e o Ministério Público, entre outros alvos. O ex-presidente carregou nas palavras classificando como “lado podre” do Estado brasileiro as pessoas responsáveis pela sua condenação e prisão. 

Com informações do Estadão

- Publicidade-

Últimas Notícias

“O cuidado, este ano, será redobrado com a dengue”, diz Ibaneis no lançamento do Dengue Zero 2020 – Agenda Capital

GDF lançou neste sábado (09/11), em Planaltina, o programa Dengue Zero 2020, com a presença do governador Ibaneis Rocha...

Nordeste manchado com o óleo do ditador Maduro! Quem vai pagar por isso? (veja o vídeo)

A equipe da TV Jornal da Cidade Online esteve no litoral da Bahia, registrando imagens exclusivas do estrago que o derramamento de óleo está...

De volta, Arthur Nory explica estratégia que rendeu título mundial – Alô Valparaíso

De volta, Arthur Nory explica estratégia que rendeu título mundial Brasileiro aposta em trabalho em equipe para repetir feito...

Enem passará por mudanças, mas não perderá força, dizem especialistas – Blog do Callado

Por Mariana Tokarnia O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) passará por uma série de mudanças nos próximos anos, entre elas,...
- Publicidade-

Notícias Relacionadas

- Publicidade-